quinta-feira, outubro 26, 2006

CÁLICE E VENENO

CÁLICE E VENENO

Maria Feijó e Marcos Coutinho Loures

Na vida, as mais cruéis limitações
Vão sufocando sonhos e prazeres,
Calando a voz de nossos corações
E solapando as ilusões dos seres.

E se o melhor da vida, as ilusões,
Subordinadas são a vil poderes,
O sofrimento e as atribulações
Ao lado estão de nossos afazeres.

O grande pensa e sofre o que é pequeno
Mas o pensar também traz sofrimento!
Assim é a vida: cálice e veneno,

Emergente de esferas abissais...
É luz que se perdeu no firmamento,
Uma ilusão fugaz... E nada mais!

Obs: o primeiro quarteto é de Maria Feijó, os outros de Marcos Coutinho Loures

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home